28 jul
2016

Meningo B – meu filho precisa mesmo tomar a vacina?

A vacina contra Meningite B que chegou ao Brasil no ano passado tem causado muita polêmica na própria ala médica. Parte dos pediatras estão indicando a vacinação conforme os critérios estabelecidos para a mesma, contra outra parte que não vê motivo para correria às clínicas particulares.

Apesar da bactéria Meningococo sorogrupo B não ser nova no país, com a redução dos casos de meningite C (em decorrência da vacinação que é oferecida pelo SUS desde 2010), a meningite B pulou para primeiro lugar como causadora da doença.

Apesar disso, o número de infectados ainda é considerado pequeno e por isso a vacina não foi incluída no Calendário Nacional de Vacinação do Ministério da Saúde.

Resumo do drama: quem puder oferecer essa proteção a mais para seus filhos deverá desembolsar uma ¨pequena bagatela¨ de R$ 600,00 (aproximado) por dose.

Algumas informações sobre a doença

A meningite é a inflamação das meninges (membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal). Pode ser causada por vírus e bactérias, além de fungos e protozoários – menos comuns.

Entre os sintomas da doença estão: febre, vômito em jato, dores de cabeça, rigidez na nuca e até manchas vermelhas na pele. Crianças pequenas também podem apresentar falta de apetite, moleza e irritabilidade.

A meningite meningocócica (uma das principais bacterianas) é uma doença infecto contagiosa, ou seja, sua transmissão se faz basicamente através do contato entre uma pessoa doente ou portadora da bactéria (a pessoa pode ter a bactéria e os sintomas não se manifestarem) e outra pessoa. Ela é transmitida facilmente através da saliva, secreção respiratória, fala, beijo… estar em aglomerações e ambientes fechados também facilitam sua transmissão.

No Brasil, entre os meningococos os dos sorogrupos C,B,W e Y são os mais frequentes.

Dados do ano de 2014 mostram que os meningococos C representavam cerca de 42% dos casos da doença, os meningococos B 42% dos casos e os sorogrupos W e Y cerca de 16%.

Segundo dados do Ministério da Saúde 2.740 pessoas tiveram meningite bacteriana no Brasil em 2014, dessas 5,3% foram vítimas da Meningite B e registrou-se 23 mortes no ano. Segundo a pediatra Natasha Slhessarenko (para matéria da Folha de São Paulo), entre 20% a 30% dos pacientes que tem infecção bacteriana morrem, e os que sobrevivem (em sua grande maioria) ficam com sequelas de surdez ou dificuldades motoras.

Dados da vacina

Quem pode vacinar?

Indicada para todas as pessoas a partir dos 2 meses até 50 anos de idade

Contra indicações 

Quem possui alergia à algum componente utilizado na vacina – confira a bula.

Doses necessárias

O número de doses depende da idade que se inicia a imunização. Veja a tabela abaixo:

Idade Doses* Reforço
até 6 meses 1 entre 12 e 15 meses
6 a 12 meses 2 1 depois dos 12 meses
acima de 1 ano 2 não há
acima de 11 anos 2 não há

* para todos os casos, exceto acima de 11 anos que cai para 1 mês, é recomendado um intervalo de 2 meses entre as doses.

Efeitos colateriais esperados

Os efeitos podem variar de pessoa para pessoa mas é possível que se tenha quadro de febre alta (principalmente em lactantes e crianças menores de 2 anos), com pico nas 6 primeiras horas após a vacinação e diminuindo em até 72h.

Também é comum ter dor no local, vermelhidão e inchaço.

É oferecida pelo SUS?

Não.

Valor na rede particular

Em média R$ 600 / R$ 700 por dose


Nossa experiência…

Bom, por aqui fizemos a vacina nessa semana, sendo bem específica há 2 dias. Tínhamos 4 vacinas para fazer e fui orientada na clínica a começar pela Meningo B, isolada das demais, por conta dos possíveis efeitos colaterais.

O Gabriel tomou a vacina por volta das 12h3o e fomos passear, brincamos um monte e logo ele apresentou uma moleza não natural. Estávamos no shopping e ele basicamente quis ficar no carrinho (tipo fato inédito). Dormiu por 2h30 e quando chegamos em casa ele não conseguia encostar os pés no chão. Quase morri! Eu nunca tinha o visto assim.

Sempre que vamos fazer uma vacina com possíveis efeitos colaterais dou por conta própria algumas gotas de Tylenol (paracetamol). Meu pediatra não acredita muito que ajude, ou que pelo menos que faça tanta diferença… eu não abro mão e carrego esse hábito desde as primeiras vacinas (comecei com as de 2 meses). Porém, justo para o dia da Meningo B eu me esqueci da medicação e na correria da folia que fizemos ele dormiu sem ser medicado.

Pisamos em casa e dei o Tylenol, seguimos para o jantar e ele comeu super bem, papai chegou e fez uns carinhos no pequeno manhoso e logo estavam brincando (a tal perna que não encostava no chão já estava na ativa novamente).

Esperei pela febre na madrugada e nada! Graças a Deus! Nem no dia seguinte… seguimos assim e acho que não passará disso. Assim espero!

Conversando com uma amiga que é pediatra – Dra. Caroline Pinheiro (que por sinal será nossa pediatra colaboradora no Blog) questionei o porque dessa divisão de opiniões entre os médicos e aproveitei para pedir sua opinião.

Ela me explicou que apesar de ter ganhado espaço, a meningite B ainda é pouco incidente e por isso a não inclusão no calendário nacional.

Assim, quem puder e tiver condições de bancar as doses da vacina é importante e recomendado como prevenção/proteção a mais, porém quem não tiver esse valor disponível ou caso a vacina esteja em falta nas clínicas da cidade, não deve se desesperar!

A vacinação é importante porém o cenário não justifica a correria às clínicas de vacinação.

2 Comentários
compartilhar

2 thoughts on “Meningo B – meu filho precisa mesmo tomar a vacina?

  1. A Júlia tomou a primeira dose em Junho. Graças a Deus não teve nenhum tipo de reação (confesso que eu estava com medo pelo fato da vacina ser nova ainda) . Como vamos viajar em Setembro, achei melhor deixar tudo em dia. Realmente o preço da dose é um pouco “salgado”, mas para quem tem condições de bancar, também recomendado como prevenção.

    1. Pois é, isso é muito chato.. todo mundo obviamente gostaria de oferecer essa proteção a mais para seus filhos, mas certamente boa parte da população brasileira não poderá. O preço é bem salgado, ainda mais quando se tem mais de um filho. Graças a Deus pudemos oferecer ao pequeno e ele reagiu super bem! Esperava pela febre mas ela não veio. Ufa, rs..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *